quarta-feira, 30 de julho de 2008

Entre o coração e a cabeça como decidir?

O coração tem razões que a razão desconhece e nem a cabeça mais fria consegue explicar.

Se nos apaixonamos a culpa é do coração mas os místicos e os apaixonados concordam em que o amor não tem razões.

Angelus Silésius, místico medieval, disse que ele é como a rosa:
"A rosa não tem "porquês". Ela floresce porque floresce".

Assim como o amor acontece porque acontece e se o tentamos explicar por vezes ficamos num beco sem saída.
Quando somos jovens neste imbróglio que é o primeiro amor, onde está a cabeça? Nem nos lembramos que a temos vamos em frente e só o coração manda, o seu palpitar nos faz vive nas nuvens.
Crescemos os anos passam e se conhecemos alguém já olhamos para o lado e pensamos no futuro e em tudo que lhe diz respeito.
Os anos passam chegamos a idades mais elevadas e o coração deixa de contar, passamos a viver com a cabeça ou não?
Mas ás vezes surgem as tais razões que a razão desconhece e como fazemos?
O coração palpita e nos diz para avançar, mas a cabeça nos diz o contrário.
Começa o dilema coração ou cabeça?
Que fazer?

2 comentários:

lotto 649 disse...

Your blog is very creative, when people read this it widens our imaginations.

Anónimo disse...

Nao e facil nao... mas tu sempre teras uma resposta no teu coracao, e so precisa cabeca para escutar.

DEIXEI DE FAZER ANOS, VOU VIVER DIA A DIA

Dias que já vivi Dias que irei viver?
Todas as fotos que ilustram os meus poemas são de minha autoria, para assim tornar tudo o que dele faz parte mais meu.